setembro 04, 2007

Coccinella septempunctata


Joaninha perdeu-se no vôo
Voando sem destino, sem companhia
Só de asas e sem motor.
Joaninha perdeu-se de amor
Não é elegante como a borboleta
É pequena, redonda e bicolor.
Joaninha voou bem alto
Sem avião, sem avioneta.
Voou formosa, curiosa, pelo verde inquieta.
Joaninha de duas cores,
Preto da sombra em que se esconde,
Vermelho sangue de mágoa ou paixão.
Joaninha perdeu-se no verde
Por outras pintas encantada,
De boa sorte esperançada
Esvoaçou atrás de um pulgão.
Joaninha, na voz de uma criança é cantarolada
Sempre que pousa na sua mão.
Suas sete manchas pretas
São sete tranças perfeitas
De negro exterior e brilho encantador.
Dois pares de asas:
Umas apenas as expõe se segura sentir sua alma,
Asas transparentes de fino papel onde regista sua afeição,
Outras duas asas são a capa que distrai, ilude, encanta, enfeita e
Por outro lado, a protege e a esconde da vida imperfeita.
Joaninha é inofensiva, protectora dos jardins,
bela, silenciosa e outros adjectivos afins,
hiberna até que o tempo se torne acolhedor, quentinho, luminoso...
Primavera, tempo de amor.
De metamorfoses sua vida se compõe
larva, ninfa, escaravelho, pequeno insecto voador
raro brinquedo de criança.
Joaninha voa, voa
Vai procurar o teu amor
Nunca percas a esperança.

adc

3 comentários:

Brain disse...

ADC,

Humano por analogia com Joaninha,
Ou o inverso?
:)

De que forma seja,
Está Perfeito!
Lindo!

Deixo-te um beijo.

nat disse...

L I N D O !!

A Joaninha é o meu bicharoco preferido... que me faz parar de encantamento...

Simplesmente amei...

Beijinhos

MarcusAntónius disse...

Estás de parabéns... está lindíssimo!

E tu já o encontraste?

Beijos...