março 22, 2007

Paisagem

A espuma das ondas rola na areia
em flocos leves de algodão que se desvanecem.
O vento insiste num assobio constante,
tudo em seu redor se despenteia.
A areia imita um nevoeiro intenso
numa tempestade brilhante.
As dunas vão decerto se mover.

A gaivota paira no mesmo espaço sem horários a cumprir.
O Sol intenso aclara o gelado entardecer.
As ondas sucedem-se em desalinho, despenteadas, num tom esverdeado
parecem indecisas em chegar à praia.

adc

3 comentários:

nat disse...

Bonita paisagem!!!
Lindas palavras...

bjinhos

Carlos disse...

Vejo que a inspiração continua em alta. Continua a ser como és...
Beijinhos.

Aline Escórcio disse...

E para a felicidade dos olhos a decisão do mar acaba por desfazer-se no véu da espera pela próxima onda.

Lindo poema que conduz ao paraíso! =)